Tempo

Now is nothing,
an infinitesimal membrane of time
through which the future passes into the past.
Yet now is the only moment we experience.
And in that moment is everything we experience;
all of the present, the past, and the future.
But to be in that moment,
to have our attention be here, now;
not caught up in the past or the future,
not caught up in worry or concern,
to be at peace with what is,
to know that still center about which time turns,
Ah, that is our challenge.

Peter Russel

A recente moda por filmes 3D exemplifica bem um reducionismo muito comum, que reflete o fato de não lidarmos bem, e em muitos casos simplesmente ignorarmos uma dimensão fundamental da existência: O tempo. Qualquer filme que se propagandeia por aí como 3D na verdade é 4D, e os filmes tradicionais, ditos 2D, são 3D desde que o cinema é cinema, simplesmente porque o tempo é a dimensão extra, ignorada na conta.

Esta falta de percepção vai muito além de um preciosismo técnico ou científico e é central na situação atual da humanidade sobre a Terra. Não sabendo lidar bem com o tempo, criamos nossa incessante e enlouquecedora sociedade moderna voltada a produção na maior velocidade imaginável. Ficamos tão obcecados com a pressa em trabalhar, produzir, ir, chegar, fazer, comprar, voltar… que as expressões “correria do dia a dia” ou “correr atrás do tempo” já são lugar-comum.

Mas a percepção profunda e abrangente do tempo é central para o despertar da consciência, para que possamos criar um futuro onde haja mais recursos disponíveis do que hoje em dia, e não menos, como estamos atualmente deixando a nossos herdeiros. Precisamos nos dar conta de que a natureza opera em mútlipas escalas de tempo, que vão de micro-segundos (ou fento-segundos ou ainda menos) até milhares, bilhões de anos. Quando estendemos nossa percepção de tempo, ao menos intelectualmente, novos fenômenos se descortinam, alargando nossos horizontes.

Selecionamos duas obras onde o tempo é fundamental para a correta apreciação da situação e dos fatos, e quando o consideramos em sua escala adequada, um novo mundo de possibilidades se abre para a mente humana, usualmente prisioneira de sua limitadíssima percepção entre algumas centenas de milissegundos e não mais do que poucos anos. Além desses limites, quase todos os fenômenos tornam-se imperceptíveis e inimigináveis para a maioria de nós. De um lado, eventos rápidos, abaixo de algumas centenas de milissegundos, se tornam imperceptíveis conscientemente, porém podendo nos afetar incoscientemente em alguns casos, como nas imagens subliminares. De outro lado, fenômenos que se desenrolam de maneira muito lenta para nós parecem inexistentes, a não ser que os observemos em intervalos muito distantes e comparemos resultados, como no caso de fotografias que monitoram a situação de glaciares no mundo.

Assim sendo, profundamente reféns do aceleradíssimo bombardeamento sensorial proveniente da alta tecnologia, como a TV e a internet, onde tudo é tão rápido que chega a ser simultâneo, nos tornamos incapazes de enxergar as consequências de nossas ações no planeta poucos anos adiante. Algumas culturas ancestrais consideravam as consequências de suas ações por 7 gerações futuras, cientes que estavam das múltiplas escalas de tempo na natureza e da importância disto para a preservação da vida em gaia. O primeiro vídeo, a animação alemã Das Rad (dica do amigo Gabriel Jesus Monteiro), mostra o quão efêmera é a atividade Humana na Terra, quando vista de um ângulo diferente, onde muitos anos seriam apenas alguns instantes na vida de duas pedras

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

O segundo, uma palestra incrível do italiano Stefano Mancuso, abre nossos olhos para uma nova perspectiva sobre o reino vegetal, o mais abundante e essencial para a vida neste planeta, que por ser mal compreendido e desprezado, está no centro da nossa possível ruína como sociedade.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

(legendas disponiveis no menu abaixo do vídeo)

1 Comentário »

  1. Deu samba said

    Já ouviu falar em Doação Coletiva? Nova parceria @Deu_Samba e @ligasolidaria. Fazer o bem, faz bem! http://bit.ly/a8yVOj

RSS feed for comments on this post · TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: