Bicicletas de Gotham City

Há quase vinte anos mudamos da Vila Madalena para um sobrado que dá de frente para uma pracinha. As bicicletas dos três irmãos foram junto, e naquele bairro tranquilo e plano, nos divertimos tardes sem fim andando de bicicleta por todo lado. O tempo passou, e nem lembro o que foi feito das bicicletas. Sei que passaram-se quase 15 anos até que eu subisse numa bicicleta novamente.

Dois anos atrás fui participar do meu primeiro congresso internacional de neurociências. O dito cujo ia ter lugar no velho mundo, em Amsterdam. Aí veio aquele frio na barriga: vou ter que andar de bicicleta! Será que eu ainda sei? Um amigo querido foi comigo fazer a prova: alugamos duas bikes no Parque Villa Lobos e fomos dar uma volta, em pleno domingo de sol em nossa cidade tão escassa de lazer a céu aberto. Parque cheio, com “gangues” de adolescentes ultrapassando todo mundo, velhinhas em triciclos, famílias, casais, em suma, todo tipo de gente. A frase que mais se ouvia na ocasião era: “Minino, olha pra frente!”. Sobrevivi. Com uma convicção: uma vez que se aprende a andar de bicicleta, nunca mais se esquece! Tá bom, é chavão, mas também é verdade, pô!

Confiando na minha aprendizagem motora, agora conferida, embarquei pra cidade modelo de inclusão das bikes no trânsito. Não foi sempre assim, como mostra o documentário.

Amsterdam também passou pelo deslumbramento do automóvel. Prédios foram derrubados para alargar avenidas, o crédito era fácil para adquirir a liberdade de ir e vir e… as pessoas começaram a morrer atropeladas! Pois é um imperativo: se há automóvel, há atropelamentos. Somado à crise do pós-guerra, a população foi às ruas e clamou por garantias à vida nas ruas. Deu no que deu: Amsterdam tem hoje a maior malha viária para tráfego exclusivo de bicicletas e motos. São mais de 400km de ciclovias utilizadas por 600.000 bicicletas. Mas vale perguntar, quantos habitantes têm Amsterdam? Pois bem, são em torno de 750.000. Virtualmente TODOS na cidade usam bicicletas. Inclusive eu, quando estive por lá. E é uma sensação incrível!

Aluguei uma bicicleta por uma semana, em uma lojinha no centro. Comentei com o cara que me atendeu que fazia um tempo que eu não andava de bicicleta e que estava com medo. Ele me orientou a sair da muvuca por umas vielas escondidinhas e meia hora depois eu estava amarrando a minha bicicleta na frente do congresso. Conheci a cidade toda assim. Seus incontáveis parques e canais, museus bacanas… Uma delícia. E uma diversão à parte, ver os usos e usuários das bicicletas por lá. Um velhinho que, quando desceu da sua bike sacou a bengala pra andar, o pai com um nenê na frente e outro maiorzinho atrás, carregando não só as crianças, mas também as compras no guidão, a executiva de tailleur e salto agulha, o fulano com o cachorro na cestinha…

Voltei para São Paulo, caridosamente apelidada aqui em casa de Gotham City, triste que só. Além dos roxos e da possível costela quebrada de um belo tombo que eu levei por lá, me parecia simplesmente impossível andar de bicicleta por aqui. Se não impossível, muito provavelmente mortal. As estatísticas não mentem: são 9 ciclistas internados diariamente na metrópole vítimas de acidentes de trânsito. É grave. E assim, conformada com a minha situação de ciclista cabaça, praticamente desisti da magrela. Andei mais meia dúzia de vezes, nesse esquema pega o carro e leva a bike até o parque. Ô coisa mais paulistana! Pega o carro pra tudo! E fila também! Sim, porque nossos míseros parques ficam abarrotados aos finais de semana. Somos 20 milhões em uma cidade que só tem lugar pra… carros!

Pois, domingo passado, tudo foi diferente. Eu e meu namorado nos juntamos a uma Massa Crítica, ou, como dizem por aqui: uma bicicletada. Nesses eventos, dezenas de ciclistas se unem para dar uma volta pela cidade, com o objetivo de conscientizar a população sobre a viabilidade da bicicleta como meio de transporte urbano, além de tentar cada vez mais conquistar o espaço que lhe é de direito nas vias públicas. A experiência é incrível! Acho que a sensação que mais define o sentimento geral do passeio é a de “estar” na rua. Quase um Occupy Street. O carro é uma extensão do espaço privativo do indivíduo, quando estamos parados, no trânsito, dentro do nosso carro, é quase como estar no sofá de casa, só que sem o pijama. Não nos envolvemos com nada do que está lá “fora”. Subimos o vidro, ligamos o ar condicionado e colocamos um filme preto nas janelas, criando uma carcaça isolante que, no fim, nos isola da coisa mais preciosa que temos, nossa humanidade.

Os budistas dizem que o homem é um bicho especial porque anda com o ventre exposto. Isso certamente nos deixa mais frágeis a ataques, mas também nos deixa mais abertos e disponíveis para a interação. Domingo, pedalando nas ruas de Gotham City, despida da malha de aço, me senti em comunhão com a cidade. O medo cedeu lugar à liberdade. A fragilidade da bicicleta foi suplantada pelo apoio do grupo. E eu finalmente entendi do que Raul estava falando quando cantou:

Sonho que se sonha só,

É só um sonho que se sonha só…

Mas sonho que se sonha junto,

É realidade.

Obrigado aos organizadores da Massa Crítica da Praça do Omaguás, por promoverem a conscientização do uso da bicicleta na cidade de São Paulo. Vocês, juntos, fazem o sonho de uma São Paulo um pouco mais humana se tornar realidade.

2 Comentários »

  1. fpamplona said

    YES! Primeiro post da Marina… legal🙂 Adorei a cena do velhinho descendo da bike e pegando a bengala para andar. É isso, um outro meio de ser móvel e deixar da lógica de sair da caixinha, entrar na caixinha, que te leva a outra caixinha. Eu já elegi sexta-feira o meu dia de ir pro trabalho de bike. Devagarinho vamos influenciando os outros à nossa volta e fazendo o trânsito mais humano. I’m a believer!

  2. Essa realidade é um tanto triste mesmo. Eu nunca tive a chance de visitar São Paulo, mas pelo que vejo, a situação das ciclovias aqui no Rio de Janeiro está um pouco mais avançada, pois em grandes vias sempre há um local adequado para o tráfego de ciclistas.

    Em minha cidade natal, (Caxias do Sul) a dificuldade para trafegar de bicicleta é terrível, somada à quantidade de declives naturais da região serrana.

    Concordo com o fpamplona, muito interessante a cena do velhinho se munindo da bengala após deixar a bike.

    Abraços!

RSS feed for comments on this post · TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: