Respiração Holotrópica

Respirar, um ato cotidiano automático, mas vital. Passamos a maior parte do tempo sem perceber que estamos respirando, e como estamos respirando. Ocupados e entretidos nos processos da mente, mal nos damos conta da inteligência corporal, que cuida sozinha desse processo fantástico e vital. Mas bastam alguns poucos segundos sem ar, e a vitalidade do processo se torna instantaneamente óbvia.

Em contextos científicos, respirar é definido como o processo de inalar e exalar o ar, durante o qual ocorre a troca de moléculas gasosas entre o corpo e o meio ambiente – nós captamos mais oxigênio e exalamos mais gás carbônico por exemplo, enquanto plantas fazem o oposto.

Mas em contextos mais amplos, atribuímos à palavra respirar inúmeros outros significados, como de sentir alívio, de descansar, repousar, ou de exprimir, manifestar e revelar: “tudo aqui respira alegria.”

O outro lado da moeda é a falta de ar, que é associada a coisas ruins, ao desconforto, sufoco, pânico, desentendimento e morte.

Esta breve reflexão nos leva a um lampejo de uma realização profunda que é explorada sistematicamente por várias culturas faz milênios. O ato de respirar é central em toda nossa fisiologia e psique. E diversas técnicas foram desenvolvidas, desde as mais simples, praticadas por qualquer um em momentos de desalento – “calma, respira!” – até outras mais sofisticadas, como os exercícios de pranayama da yoga e as várias técnicas respiratórias que formam um dos pilares centrais das práticas meditativas.

Ao focar na respiração, e voluntariamente modificá-la, aprofundando, acelerando ou lentificando, ou até mesmo parando por determinado período, podemos exercer efeitos em nossa psique. Até mesmo quando o objetivo não é esse, o resultado aparece: mergulhadores sentem com frequência os efeitos relaxantes e de abertura da mente enquanto estão de baixo d’água, mesmo que não se dêem conta de que estão, de certa forma, meditando, pois a concentração na respiração tem que ser intensa.

Atenção na respiração foi uma das brilhantes sacadas de Stanislav Grof, psiquiatra Tcheco que vive nos EUA, ainda nos anos 60. Grof foi o último pesquisador a encerrar suas pesquisas com substâncias psicodélicas após a proibição, que começou a vigorar nos EUA no fim dos anos 60. Após este baque, que encerrou o que alguns ainda consideram “a era de ouro da psiquiatria”, Grof passou por um período de reavaliação de suas descobertas e rumos profissionais: ele conduziu milhares de sessões terapêuticas com LSD e arquivou uma infinidade de papéis e documentos sobre seus pacientes – e também mais alguns milhares fornecidos por seus de colegas.

Essa revisão transcorreu ao longo de alguns anos, durante os quais Grof participou e organizou seminários inéditos e únicos no Instituto Esalen, na Califórnia. Interessados no fenômenos da consciência de maneira ampla e não-reducionista se encontraram periodicamente em um local telúrico. Monges, cientistas, médicos, gurus, mestres de artes marciais, artistas, cientistas, empresários, exploradores etc. Todos reunidos com a finalidade de explorar, aprender e desenvolver novas técnicas para a vivência segura dos estados extra-ordinários de consciência.

Um dos resultados desta jornada foi a criação, por Stan Grof e sua esposa, Christina Grof, da técnica de Respiração Holotrópica. É uma abordagem de autoexploração e terapia, que pode ser vivenciada em sessões particulares, mas mais comumente é praticada em grupo. Os participantes formam duplas. Enquanto um “respira”, o outro cuida. E a equipe treinada fica de prontidão, circulando pela sala, atendendo os casos de necessidade, conforme vão surgindo. O respirar aqui não é o respirar automatizado e inconsciente do dia a dia. É um respirar focado, atento, consciente. Respira-se profundamente e aceleradamente, deitado em um colchonete, de olhos fechados ou vendados.

É uma jornada interior. Um passeio pelos domínios arquetípicos da psique. Pra facilitar e guiar o processo, músicas acompanham todo o trabalho, que dura cerca de três horas. Assim, cada participante vive o seu processo, sem interrupções, sem diálogo e sem qualquer direcionamento por parte da equipe. A idéia central é se conectar com um eu mais profundo, que tem uma sabedoria que nos leva quase que espontaneamente a processos de cura e tranformação.

O trabalho é acompanhado ainda por arte-terapia após a sessão de respiração, e rodas de compartilhamento, onde cada participante divide com o grupo aquilo que foi mais importante e profundo de sua experiência. O compartilhamento é um momento importante, nos ajuda a consolidar pelo que passamos e nos ajuda a formar um senso de comunidade, ao tirar o foco apenas de nós mesmos e nos estimular a dar atenção e ouvido ao próximo.

Nos próximos meses, a Respiração Holotrópica estará perto de São Paulo. No começo de março, teremos um workshop de um fim de semana, introdutório sobre a técnica. Na sexta-feira, 01 de março, uma palestra introdutória, gratuita. No sábado, duas sessões de respiração, onde os participantes alternarão entre o papel de “respirantes” e cuidadores, sendo possível então que cada um respire uma vez. No domingo, ocorrerá mais um compartilhamento e o encerramento das atividades no almoço.

E em Abril, uma vivência mais prolongada e intensa estará disponível durante um módulo do “Grof Transpersonal Training”, programa de formação de profissionais em Respiração Holotrópica, mas que também recebe pessoas que estejam interessadas no autoconhecimento sem a necessidade de continuar ou fazer parte da formação como um todo.

Ambos acontecerão no ENAI, em São Roque, cerca de 30 minutos de São Paulo pela Raposo Tavares.

holo

gtt xamanismo

Mais informações e inscrições em http://www.aljardim.com

Plantando consciência tem à venda o livro “Respiração Holotrópica, Uma nova abordagem de autoexploração e terapia”, recentemente lançado no Brasil pela Editora Numina. O livro detalha a história, os conceitos, a prática, as músicas e os resultados. Um manual completo! Interessados, favor entrar em contado pelo email plantando@plantandoconsciencia.org

2 Comentários »

  1. José Maria said

    Detalhes do livro, se acompanha vídeos, preço.

  2. Não sou especialista na Temática Respiração HOLOTRÓPICA, mas como sou um ser vivo e dependo de inspirar oxigênio, aproveitar bem esse gás bendito que ainda existe na TERRA, a nível interno do meu corpo para a manutenção da minha vida; e depois de processado dentro dos meus órgãos e expirar gás carbônico e, assim, sucessivamente (…). Dentro dessa lógica bioquímica vital para os seres vivos que não têm condições e nem estruturas anátomo-morfológicas para absorver a energia quântica direta do sol, é preciso aprender a apreender a Respiração Holotrópica: uma nova abordagem de auto-exploração e terapia (…), veja no Livro deste site esta questão. E veja alguns trabalhos de Ana Lourenço da Rosa em: Contatos Científicos/Plantas Medicinais/Tocantins/Brasil e Ana Lourenço da Rosa/Comentários/Brasil.

RSS feed for comments on this post · TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: