Archive for março, 2013

Os Hereges

Todo mundo sabe que muito tempo atrás rolavam censuras terríveis. Queima de livros, enforcamento de bruxas e tribunais contra quem ousasse sugerir, por exemplo, que a Terra era redonda, ou que girava em torno do sol. Reações fortíssimas também aconteceram contra pessoas que sugeriram que nós temos um ancestral comum com os outros primatas e que existe um troço chamado seleção natural.

Na maioria dos casos, estas pessoas estavam fazendo ciência, e ao fazer ciência estavam desafiando a visão de mundo dominante, à época aquela ditada pelo livro considerado sagrado por uma Igreja em especial, a Católica. Todo mundo sabe também que agora a visão que predomina é a científica, e que em nome da ciência jamais se faria algo como censura, certo?

voltaire marcha liberdade

De acordo com um episódio que rolou nesta semana, a resposta é: errado. A gigantesca corporação TED – Tecnologia, Entretenimento e Design – tirou do ar duas palestras de um evento TEDx – uma forma híbrida de evento TED, mas organizado independentemente. Mas comecemos pelo começo: o que é o TED?

Fundado há quase 30 anos, em 1984, o TED foi realmente catapultado a uma das mais inovadoras organizações do mundo entre 2007, quando lançou seu atual site, e 2009, quando lançou um programa de tradução voluntária. Eles criaram um sistema amigável e simples para que qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, pudesse traduzir para outra língua as legendas das palestras, disponibilizadas em inglês. Ao todo são mais de 1.400 palestras disponíveis gratuitamente, com 32 mil traduções para mais de 40 línguas diferentes, feitas por milhares de tradutores em todo o globo.

Ali tem de tudo. Só as 20 “TED talks” mais vistas até agosto de 2012 dão um bom panorama do que se trata e da audiência alcançada. Sir Ken Robinson tem quase 15 milhões de visitas com sua palestra de que escolas matam a criatividade. Em segundo lugar vem a neuroanatomista Jill Bolte Taylor, que conta sua iluminação durante um derrame cerebral, assistido por mais de 11 milhões de pessoas. O terceiro colocado é Pranav Mistry, com quase 10 milhões de visitantes em sua palestra sobre o sexto sentido. E assim vai. Tem gente falando do mundo subaquático, do poder da vulnerablidade, de como viver, sobre as melhores estatísticas que você jamais verá, sobre porque somos felizes, sobre magia cerebral… Tudo isso só entre as campeãs de audiência. Mas no TED tem até gente defendendo que comer insetos é a solução do problema da fome mundial. Sem dúvidas um site fascinante.

Até mesmo Julian Assange, pai e líder do WikiLeaks, já pasou pelo TED, falando sobre liberdade de expressão e comunicação na era digital. Parece então que o TED é uma organização de ponta, aberta a novas idéias. Idéias alias é o mote do TED: ideas worth spreading (ou idéias que vale a pena compartilhar). Seria muito estranho, impensável na verdade, que o TED resolvesse então fazer censura. Mas fez.

O que poderia incomodar estas pessoas a ponto delas removerem da rede duas palestras, com alguns milhares de visitas cada? Que tipo de assunto poderia ser tão inapropriado para uma TED talk, considerando que todos os palestrantes são convidados?

Vejamos o ocorrido:

Rupert Sheldrake, biólogo, já foi membro da Royal Academy britânica, estudou nas prestigiosíssimas Harvard e Cambridge, recebeu prêmios diversos, publicou mais de 80 artigos científicos, obteve um PhD em bioquímica, publicou vários livros e desenvolveu a teoria dos campos morfogenéticos.

Sheldrake foi convidado e compareceu ao “TEDx White Chapel – Visions for Transition: challenging existing paradigms and redefining values for a more beautiful world” (Visões para a transição: desafiando paradigmas existentes e redefinindo valores para um mundo mais bonito). O título é pomposo, mas diz ao que veio o evento, que aconteceu em Janeiro deste ano em Londres: trazer alternativas à visão de mundo predominante que nos leva e arrasta por uma crise sem precedentes.

O tópico da palestra foi “O Delírio Científico: Libertando a Ciência“, título também de um de seus livros mais recentes (que já foi assunto aqui no Plantando Consciência). O delírio, pra ele, é a crença de que a ciência, a princípio, já compreende a natureza da realidade, deixando apenas detalhes para serem descobertos e explicados.

Sheldrake enumerou o que considera os atuais 10 dogmas do delírio científico:

1 – O Universo é mecânico, ou funciona como uma máquina;

2 – A matéria é inconsciente;

3 – As leis da natureza são estáticas;

4 – A quantidade total de matéria e energia é sempre a mesma;

5 – A natureza é despropositada;

6 – Toda a hereditariedade biológica é material, está nos genes;

7 – Memórias são armazenadas dentro do cérebro, como partículas materiais;

8 – Sua mente está dentro da sua cabeça;

9 – Fenômenos psíquicos, como telepatia, são impossíveis;

10 – A única medicina que realmente funciona é a mecanicista.

Sheldrake argumenta que estes dogmas estão engessando a ciência genuína, baseada na razão, observação e hipóteses, ao criar uma visão de mundo fixa, que se tornou uma crença popular que orienta a quase totalidade dos adultos razoavelmente educados, os governos, as empresas e a sociedade como um todo. E o 8 e o 9, segundo ele, são dos mais intrigantes e polêmicos. Em pleno século XXI, a ciência não consegue lidar com o fato de que somos conscientes, e de como investigar isso.

Este tópico foi exatamente o assunto de outra palestra no mesmo evento, “War on Consciousness” (Guerra à Consciência), de Graham Hancock. Ele é autor de bestsellers como “Supernatural: Meetings with the ancient teachers of mankind” (Sobrenatural: Mistérios que cercam a origem da religião e da arte) e “Fingerprints of the Gods” (As digitais dos Deuses). Seus livros já venderam mais de 5 milhões de cópias, com traduções em 27 línguas. Hancock se formou em Sociologia com “Honra de Primeira Classe”, na Universidade Durham, no norte da Inglaterra. Trabalhou como jornalista em muitos veículos de mídia, escrevendo sobre uma grande variedade de tópicos e criando, segundo alguns críticos, um novo e inovador estilo de escrita e investigação.

No livro “Sobrenatural”, de acordo com seu próprio site, Hancock “investiga o xamanismo e as origens da religião. Este livro controverso sugere que a experiência dos estados alterados de consciência desempenharam papel fundamental na evolução da cultura humana, e de que outras realidades – mundos paralelos na verdade – nos rodeiam todo o tempo mas normalmente não são acessíveis aos nossos sentidos.”

Em sua palestra censurada pelo TED, ele aborda alguns destes tópicos, começando pela idéia – talvez a mais herética possível em uma sociedade que vive há um século demonizando todos os psicoativos que não sejam álcool ou aqueles vendidos pela indústria – de que a origem da consciência humana, esta que nos distingue de todas as demais espécies, aconteceu em nossa descoberta das plantas dos deuses através do xamanismo.

Vejamos agora a justificativa do TED pelo ocorrido:

“Após trabalho cuidadoso, incluindo um levantamento sobre a pesquisa científica disponível e recomendações de nossa Assessoria Científica e nossa comunidade, decidimos que as TED talks de Rupert Sheldrake e Graham Hancock deveriam ser removidas do nosso canal TEDx no Youtube. Ambas foram marcadas como contendo sérios erros factuais que prejudicam o comprometimento do TED com a boa ciência. As críticas a estas palestras precisam de mais destaque. Não estamos censurando as palestras. Mas colocamos ambas aqui no blog, onde podem ser enquadradas para enfatizar suas idéias provocativas e os problemas com seus argumentos.”

Como vemos acima, algumas horas depois da censura, talvez pela pressão que sofreram pela internet (e pela obviedade de que volariam a ser disponibilizadas por quem já as tivesse gravado em seus computadores), o TED recolocou as palestras na rede. Mas não no mesmo lugar. As duas passaram ao status de material privativo no canal oficial do TEDx no youtube e foram rebaixadas à sessão do blog chamada de “aberto para discussão” (fica uma pergunta: apenas esta seção está aberta para discussão? Todo o resto do material divulgado pelo TED é verdade absoluta?). Importante destacar que essa decisão foi tomada exclusivamente pelo TED, à revelia dos organizadores do TEDx WhiteChapel, que se manifestaram no facebook contra o ocorrido.

Tecnicamente, a decisão afeta vários sites que haviam feito links e embeds pros vídeos originais, e portanto limita bastante o acesso as palestras, bem como interfere no resultado de buscas pelo google e afins.

Filosoficamente, a decisão é, entretanto, muito mais reveladora dos processos em andamento neste início de 14° B’aktun. A decisão do TED de censurar palestras ou colocá-las sob discussão especial porque estas não seriam científicas tem dois problemas fundamentais:

1 – Nem tudo que está no TED é baseado em ciência;

2 – Ciência não é uma descrição definitiva do que é Verdade ou Realidade;

Examinar a primeira razão nos levaria a um debate extenso sobre o próprio TED, e este não é o intuito. Mas a segunda razão é a que mais interessa, pois não diz respeito somente ao TED e suas decisões. É importante pois a razão alegada para censurar Rupert Sheldrake é exatamente o delírio científico como ele enuncia: de que a ciência, a princípio, já compreende a natureza da realidade, deixando apenas detalhes para serem descobertos e explicados. Ou seja, ao seguirem o delírio científico, os organizadores do TED censuraram quem manifestou opinião divergente da que eles próprios defendem. E ao censurarem Hancock, confirmaram não só que há de fato uma Guerra contra a Consciência, que eles apoiam, mas que os dogmas 7, 8 e 9 de Sheldrake são bem reais.

Assim, em nome da ciência, o TED teve uma atitude muito típica de religiosos dogmáticos: aquilo com que não concordo não deve existir ou deve ser marginalizado. Este pensamento e atitude são totalmente contrários ao verdadeiro espírito científico, que é de perpétudo ceticismo aliado à curiosidade e abertura para novas questões e situações. A atitude do TED também é incompatível com um estado de harmonia na sociedade, onde todos devem ao menos ser ouvidos, e no melhor caso, compreendidos. Por fim, a decisão do TED afronta o público, pois indiretamente diz que os visitantes do site não pensam criticamente por conta própria, e necessitam dos avisos do TED com relação ao conteúdo de alguns vídeos.

respect and harmony

Para justificar a decisão, o TED recorre ao argumento favorito daqueles que congelam suas idéias: o argumento de autoridade. Eles mencionam que algumas das pesquisas ou resultados científicos mencionados pelos hereges não estão disponíveis em revistas científicas que publicam artigos com “avaliação por pares” (peer-review).

Mas se aquilo que é científico ou não for definido como o que está ou não publicado num número limitado de meios de comunicação que seguem determinado método que veta certos tipos de resultado e linhas de pesquisa, a ciência estaria se condenando a uma visão que não poderia mais progredir com relação a estes tópicos.

Ou seja, certas pesquisas são definidas a priori como não científicas (em geral pois desafiam o dogma 1 de Sheldrake). Por causa disto, estas pesquisas são negadas no sistema de publicação considerado científico. O mais grave acontece então quando se justifica que não são informações científicas porque não foram publicadas no sistema que as definiu a priori como não científicas! Alguma semelhança com o raciocínio que veta o que não está na Bíblia??

Segundo Hancock argumentou pelo facebook:

If this is how science operates, by silencing those who express opposing views rather than by debating with them, then science is dead and we are in a new era of the Inquisition. 

(Se é assim que a ciência opera, silenciando aqueles que expressam visões opostas ao invés de debater com eles, então a ciência está morta e nós estamos em uma nova era da Inquisição).

Ou seja, de maneira heresiasemelhante ao que parece ter ocorrido na transição de B’aktuns anteriores, quando cientistas chacoalharam a visão de mundo rígida e imutável dos religiosos, neste início de 14° B’aktun o incômodo são cientistas desafiando a visão de realidade que se cristalizou na mente coletiva da humanidade a partir das descobertas da própria ciência.

Se outrora a censura e perseguição era mais brutal e violenta, agora a situação pode ser muito desafiadora em termos sociais, pois ambas as visões de mundo clamam se basear no mesmo processo: a Ciência. E a dos hereges pode, talvez, estar a inverter o processo iniciado há mais de 400 anos. Principalmente os argumentos de Hancock vão na direção que unifica ciência e espiritualidade, revertendo a direção que tomamos no começo do B’aktun passado. Mas Sheldrake também questiona seriamente as bases do materialismo, que é a filosofia que fundamenta esta separação.

No final das contas, a reação do TED faz sentido, como já foi argumentado com clareza por grandes filósofos como Thomas Kuhn e Karl Popper. O primeiro argumentou que os grandes saltos científicos não são absorvidos pelos cientistas nem pela população, que geralmente não mudam de opinão. As grandes revoluções ocorrem, na verdade, com a transição de geração, que dá espaço aos mais novos para pensarem diferente, livres dos impedimentos colocados pelos mais velhos. Para Kuhn, a essência da revolução científica está na transição de gerações e na mudança do modo de pensar, oriundo das novas descobertas científicas. Este fenômeno ocorre repetida e sucessivamente, geração após geração, e foi enunciado eloquentemente por Popper, que defendeu que a ciência é, por princípio, interminável. Quem decidir um dia que chegamos a uma verdade definitiva, retira-se do jogo.

Portanto, se a ciência do 13º B’aktun se autodefiniu como necessariamente contrapondo a religião e negando tudo que não for material, pode ser que estejamos a testemunhar a tentativa de nascimento da ciência do 14° B’aktun: que se abre para as possibilidades de aproximação com a espiritualidade e outras formas de conhecimento e existência que não a exclusivamente materialista.

Neste momento, fica o agradecimento ao TED pela ingenuidade de achar que poderia controlar a informação na era digital, e ao fazê-lo, criar muito mais interesse pelo tópico em questão. Mas principalmente, parabéns aos Hereges por empurrarem o pensamento humano adiante, estejam certos ou errados sob pontos específicos.

Parafaseando Henry David Thoureau:

“Todo o conhecimento deste mundo já foi uma heresia desagradável cometida por algum sábio”.

Para aprofundar-se na obra destes dois Hereges, sugerimos, claro, seus livros. Mas vale também conferir a participação de ambos no programa LondonRealTV, com cerca de uma hora cada (apenas em inglês):

Rupert Sheldrake

Graham Hancock

Anúncios

Comments (5)

Voltando aos Invisíveis

hillman

Neste fim de semana acontece um (imperdível) Tributo a James Hillman na UNICAMP. Eu arrisco a dizer que Hillman deveria, ao lado de Stanislav Grof, ser uma referência universal em psicologia tanto quanto Freud e Jung. Apesar de distintos, ambos nos presentearam com novas e ousadas formas de se tentar compreender o fenômeno da consciência, de tal forma, que garantiram seu ingresso no panteão dos imortais.

Se as idéias de Grof e sua psicologia transpessoal partem de uma base freudiana (quando se fala em matrizes perinatais, por exemplo, estamos extendendo a influência dos processos internos para além da infância e da sexualidade), Hillman e sua psicologia arquetípica partem de Jung (que lida com a influência de fenômenos externos ao indivíduo, como o inconsciente coletivo e os arquétipos universais). Hillman, aliás, dirigiu o Instituto C.G. Jung em Zurique, mas pode-se dizer que ele deixou sua marca indelével para a investigação da consciência ao fundar o que hoje é chamado de psicologia arquetípica. Em seu livro O Código do Ser  (na verdade O Código da Alma – The Soul’s Code –, título adulterado pela tradução brasileira que aparentemente julgou o termo “alma” como impróprio), ele elabora uma teoria completamente oposta às idéias correntes na psicologia, na genética e na mídia, as quais pressupõem um determinismo linear na formação de nossas personalidades.

daimon Ao invés de entender cada indivíduo como o resultado da combinação genética de seus pais e dos fatores sócio-ambientais em que ele está inserido (que ressoa a velha noção aristotélica da tábula rasa: que a consciência é desprovida de qualquer conhecimento inato – tal como uma folha em branco, a ser preenchida), ele apresenta o conceito platônico do daimon. O daimon, ou a teoria do fruto do carvalho (acorn theory) – como ele a reelabora – é também chamado de nosso gênio, talento, vocação, personalidade, imagem, destino, anjo da guarda, caráter etc. Em outras palavras, nosso futuro e nosso potencial já estão inscritos de alguma forma em nós ao nascermos, assim como uma semente contém toda a árvore em potencial.

É um conceito fluido que cabe em inúmeras definições, mas é um conceito revolucionário no entendimento da psique, pois evita reduzir o senso de individualidade ao âmago do “eu” – como faz a psicologia tradicional, ao fragmentar o enigma do indivíduo em fatores e traços de personalidade, em tipos, complexos e temperamentos, tentando localizar o segredo da individualidade nos substratos da matéria cerebral e dos cromossosmos – e não aceita que a vida humana é um acaso estatístico. Mas a teoria de Hillman dá sua grande cartada quando também não entrega nossos destinos “às mãos de Deus”. Como diz Hillman, “a teoria do fruto do carvalho transita com desenvoltura entre esses dois dogmas antagônicos que há séculos ladram um para o outro e que o pensamento ocidental continua mantendo afetuosamente como animais de estimação”.

Todos nós nascemos com uma imagem que nos define. O daimon seria o nosso par invisível, a centelha de consciência, ou a intenção angélica por detrás de nossos atos. A idéia vem de Platão (A República). Resumidamente, ela diz que a alma de cada um de nós recebe um daimon único, antes de nascer, que escolhe uma imagem ou um padrão a ser vivido na Terra. Esse companheiro da alma, o daimon, nos guia aqui. Na chegada, porém, esquecemos tudo o que aconteceu e achamos que chegamos vazios a este mundo. O daimon lembra do que está em sua imagem e pertence a seu padrão, e portanto o seu daimon é portador do seu destino.

Bebendo na fonte da mitologia grega, Hillman enfrenta o materialismo dominante com coragem, compostura e senso de humor, ao abraçar conceitos vistos pelo paradigma materialista como exclusivos do universo infantilizado da religião institucionalizada, como “alma” e “espírito” (uma grande ironia às inversas na mudança do título de seu livro mais famoso para a edição brasileira). Hillman leva este conceitos a um novo patamar, ao inseri-los dentro do universo arquetípico e mitológico, um universo invisível que oferece a quem decide explorá-lo uma “visão além do alcance” do nosso mundo racional.

 Para começar, precisamos deixar claro que atualmente o principal paradigma para se entender uma vida humana, a inter-relação da genética com o ambiente, omite algo essencial – a particularidade que você sente que é você. Ao aceitar a idéia de que sou o efeito de um choque sutil entre a hereditariedade e as forças da sociedade, reduzo-me a um resultado. Quanto mais minha vida for explicada pelo que já ocorreu em meus cromossomos, pelo que meus pais fizeram ou deixaram de fazer e pelos anos remotos da minha infância, tanto mais minha biografia será a história de uma vítima.

Se por um lado, diriam os gregos, a nossa alma chega ao mundo ignorante de sua existência prévia, o daimon, que vem a seu lado, não. Ele sabe qual a nossa missão nessa vida, e fará de tudo para que escutemos seu chamado e realizemos aquilo que é sua necessidade. No entanto, diz Hillman, nós precisamos “baixar” no mundo, e este é um processo difícil, e uma luta entre nossa personalidade e nosso chamado daimônico. O daimon está mais próximo da idéia do espírito, uma entidade transcendental, que pertence mais aos céus do que à Terra. Ele não quer encarnar, mas conclama ao ideal. Já a alma é terrena, precisa se materializar no aqui e agora, viver contradições, incoerências, pisar no chão firme para existir e cumprir sua missão. É de um violento embate entre os dois que resultam as tortuosas biografias de muitas celebridades (muitas das quais morrem cedo), e é da uma comunhão profunda com o daimon que testemunhamos outras grandiosas histórias de vida.

522577_612683128745636_627514899_n Uma vez que cada um nasce com seu daimon – o seu chamado – cada um tem sua história particular, e ela não deve muito a nossos pais (nem geneticamente nem psicologicamente), que na grande parte do tempo são confundidos com nossos mestres. Os pais, diz Hillman, têm a função de nos acolher. Nossos verdadeiros mestres só encontraremos ao longo de nossa jornada. Eles serão aqueles capazes de enxergar nosso daimon, e nos ajudar a realizar sua busca. Um professor de música que reconhece seu talento, um treinador, um amigo que te ajuda num momento difícil, um livro que muda a sua vida… Ao contrário do que possa parecer ao olhar superficial, a teoria de Hillman é libertadora pois coloca a responsabilidade do destino de cada um de volta às mãos de cada um. Não é determinista, pois o daimon não anula o livre arbítrio, ele apenas nos dá a direção, mas nós é que decidimos cada passo dado. Se o daimon representa nossa necessidade, a decisão está na esfera do ego.

Ao afirmar que a Necessidade interfere em todos os momentos decisivos da minha vida, posso justificar qualquer ação. É como se eu pudesse me livrar da responsabilidade – está tudo nas cartas, ou nas estrelas. No entanto, dominadora inflexível que é, essa deusa me faz tremer diante de cada decisão, pois sua irracionalidade aleatória é totalmente imprevisível. Só retrospectivamente posso ter certeza, dizendo que tudo era necessário. Como é curioso, a vida pode ser pré-ordenada, embora sendo não-previsível.

Hillman era uma pessoa tão singular que foi considerado por muitos como um dissidente na psicologia, um rebelde (não à toa ele dizia que “só em nossas teorias psicológicas ocidentais é que o rabo abana o cachorro”). Mas seus conceitos começam a ser iluminados por outro olhar nesses tempos de transição brutal, onde os velhos paradigmas se tornam escancarados e as velhas respostas não mais respondem a nossos anseios, abrindo espaço para o levante recente de religiões modernas que são incapazes de pensar metaforicamente, levam-se a sério demais e colocam a sociedade em risco ao projetarem suas interpretações literais no mundo das relações humanas.

banksy

Por isso, neste fim de semana podemos nos considerar privilegiados, pois graças a uma iniciativa brasileira, a UNICAMP recebe um evento em tributo a Hillman, que contará com inúmeros acadêmicos que tiveram com relação próxima a ele, e inclusive com seu filho Laurence. Entre sexta e domingo, palestras e confraternização relembrarão a fagulha de despertar que este grande homem passou adiante quando faleceu no final de 2011, e que agora está em nossas mãos neste início de 14º baktun.

Nós do Plantando Consciência estaremos no evento por inúmeros motivos. Dentre os quais é o reconhecimento de que a contribuição de James Hillman para a psicologia se estende para além desta disciplina, abarcando toda a questão da saúde e da vida humanas. Como estamos produzindo um documentário sobre a questão da influência da consciência na relação entre saúde e doença (saiba mais aqui), temos uma grande oportunidade de enriquecermos nossa busca. Se você apóia nossa iniciativa, aproveite para doar para o nosso projeto. Até este momento o filme está sendo inteiramente bancado com o mínimo necessário para conduzir as entrevistas, mas com um enorme senso de dever e com a ajuda de muitas pessoas que contribuem para reduzir os custos. Ainda assim, muito mais será necessário para que este documentário possa alcançar o estado de uma árvore sólida e repleta da sabedoria contemporânea e ancestral.

Serviço:

Tributo a James Hillman

15, 16 e 17 de Março de 2013

Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da UNICAMP

Palestrantes, programação e inscrição: http://www.tributoahillman.com.br/

Para saber mais sobre o filme:
http://www.plantandoconsciencia.org/pt/medicina/

Doe qualquer quantia clicando no botão abaixo:
Ajude-nos a cumprir com este objetivo!

Comments (1)

Ayahuasca, imagens mentais e atenção ao mundo interior

Em novembro de 2012, cientistas da América Latina se reuniram em Cancún, no México, para a criação oficial da FALAN: Federação LatinoAmericana de Neurociências.

FALAN

Como não poderia deixar de ser, a Ayahuasca, medicina tradicional desta região do planeta, foi contemplada em duas palestras. Isto porque organizamos o simpósio “Manifesting the Mind“. As palestras sobre Ayahuasca ficaram a cargo do Dr. Jordi Riba, da Espanha, e de Draulio Araújo, do Instituto do Cérebro da UFRN.

A palestra do Prof. Draulio está agora disponível na íntegra. Além destas, houve uma palestra sobre ibogaína no tratamento da dependência, de Eduardo Schenberg, que será disponibilizada oportunamente.

Agradecimento especial a Rafael Beraldo, que editou o vídeo. Procuramos voluntário interessado em nos ajudar com a legenda, para que possa ser traduzida e disponibilizada a um público ainda maior!

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: