Posts Tagged Meditação

Budismo e Psicodélicos

Nesta conversa franca, James Fadiman, psicólogo, e Kokyo Henkel, monge Zen Budista, navegam por aspectos superficiais e profundos da experiência psicodélica, e conversam com a platéia sobre as semelhanças e diferenças com a filosofia zen budista e a prática da meditação. Temas delicados e importantes como o uso consciente de substâncias, a vivência de estados extraordinários de consciência como uma prática espiritual, a importância da integração, do set and setting, a dose, o guia, o ajudante, a intenção e muito mais são abordados com clareza e simplicidade.

Fundamental para aqueles interessados em tirar proveito dessas experiências e integrá-las de maneira evolutiva e educativa.

Por hora, ambos os vídeos disponíveis sem legendas. Se você é um voluntário para fazê-las, por favor entre em contato!

Anúncios

Deixe um comentário

Respiração Holotrópica

Amanhã, quinta-feira 09/06/11, uma parceria entre o Plantando Consciência, editora Numina, aljardim e livraria da vila trará a Sampa o lançamento do livro “Respiração Holotrópica – uma nova abordagem de autoexploração e terapia”. Escrito por Stan Grof, o poderoso chefão da psicodelia, junto com sua esposa Christina Grof, o livro trata da técnica terapêutica criada pelo casal após a arrebatadora e transformadora carreira de Stan com psicoterapia com LSD e como abordar e colher frutos dos estados holotrópicos de consciência sem o uso de qualquer substância. Imperdível

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

legendas em português e inglês disponíveis no menu abaixo do vídeo

Amanhã, quinta 09/06 das 18.30 as 21.30, palestra as 20h. Mais informações aqui

Deixe um comentário

Vitalidade Postural e Movimento Inteligente

por Hans Reikdal Machado, especial para o Plantando Consciência

A nossa organização postural define a qualidade dos nossos movimentos e esta relação entre postura e movimentos influencia profundamente nossas vidas, quer sejamos atletas, músicos, atores, jovens, idosos ou estejamos num processo de reabilitação motora.  Dar-se conta deste fato pode ser um gesto transformador, por isso volto a frisar: nossos padrões posturais definem a qualidade do que fazemos.

O Método Feldenkrais possibilita um mergulho neste nível da nossa organização pessoal e dá instrumentos para que cada um possa usufruir sua postura e seus movimentos em plena vitalidade e inteligência. Vamos entender um pouco mais como isso acontece.

Postura e Movimento nas Realizações

A organização postural pode facilitar ou dificultar a realização de um ato. Muitas vezes a atividade tônico-postural, distribuída em todo o organismo, sustenta intenções contrárias à realização de uma atividade. Nestes casos vivemos contradições motivacionais em nosso próprio corpo e nos restringimos a um patamar de ação inferior às nossas capacidades, desejos e sonhos.

Vejamos um exemplo concreto. Você ouve um som que vem do seu lado esquerdo. Imediatamente vira a cabeça para se direcionar à nova fonte de interesse. De maneira coordenada, o pescoço, a cabeça e os olhos buscam o mesmo alvo.  Mas o que você faz com os ombros, tronco, lombar, joelhos e pés? O que acontece no pano de fundo de sua sustentação postural durante a realização deste simples ato de se direcionar ao mundo?

Observe-se na próxima vez que olhar para o lado (um movimento realizado inúmeras vezes todos os dias). É comum observarmos que os ombros e o tronco, ao invés de ajudarem a rotação da cabeça, dificultam. Esta contradição ocorre porque os hábitos de postura não estão integrados aos motivos da ação mais corrente.

Surge uma pergunta prática, é possível fazer com que os segmentos corporais sejam coordenados de um modo que facilitem a realização do movimento atual? Sim, e este é o objetivo do Método Feldenkrais, fazer com que o nível dos hábitos de postura deixe de comprometer e passe a contribuir para a qualidade e o rendimento do nosso desempenho e auto-realização.

Integração: um salto qualitativo

Vimos que nossos padrões posturais definem a qualidade do que fazemos. E agora, começando a entender como isto acontece, podemos usar este princípio ao nosso favor. Quando a organização postural favorece a intenção de um ato, podemos realizar nossas vontades com mais facilidade, eficiência e prazer.

Quando a intenção motora e a sustentação tônico-postural estão integradas e orientadas ao mesmo objetivo, o que experimentamos é quase mágica. Sentimos mais leveza e liberdade e podemos executar os movimentos da maneira que realmente queremos. Dos movimentos mais simples aos mais sofisticados: sentar e levantar, saltar, falar, executar um golpe de judô, um giro numa dança, um assana de yoga. Tudo pode ser realizado com mais facilidade, mais precisão, mais força e menos esforço.

Vou chamar esta harmonização das intenções motoras às intenções posturais de “integração tônico-cinética das intenções”. Quando vivemos esta integração, o que antes era impossível torna-se fácil e o que já era fácil torna-se elegante. A importância deste refinamento é enorme, basta lembrarmos a famosa afirmação do Dr. Moshe Feldenkrais, “Vida é movimento. Melhore a qualidade do movimento e você melhora a própria vida”.

Integrando os Níveis de Intencionalidade


Três níveis de movimentos estão entrelaçados em nossos gestos e atos, movimentos voluntários, hábitos posturais e movimentos vitais. A influência entre eles é constante e recíproca. Esta interação pode ser mais harmônica ou mais truncada. Vejamos a que me refiro com estes três níveis para podermos entender melhor como o Método Feldenkrais trabalha no sentido da integração:

1. Movimentos voluntários (cinéticos)

Estes movimentos são mais facilmente acessíveis à escolha consciente. Este é o nível de que estamos mais conscientes e familiarizados, mesmo que muitas vezes sejam movimentos tão automatizados que nem reparamos neles enquanto os realizamos. (como no exemplo acima de girar a cabeça). São movimentos voluntários que surgem dos motivos da ação atual e, portanto, estão vinculados aos resultados imediatos da atividade corrente. Exemplos:  mover os dedos para digitar o computador, os braços para escovar os dentes, chutar uma bola, subir um degrau, etc.

2. Hábitos posturais (tônicos)

Em sua maior parte este nível de atividade não é consciente. Este é o campo da organização pessoal formada pelo conjunto dos padrões posturais. Os hábitos de postura são padrões de relações, memórias relacionais com forma específica e pessoal. Assim, o tempo postural (tônico) é diferente do tempo dos movimentos voluntários (cinético).

Podemos entender os padrões posturais como intenções estendidas no tempo.  Não tratam de objetivos imediatos como pegar uma caneta ou tocar um acorde no violão, embora participem decisivamente de todas estas ações. A atividade postural está mais relacionada aos estados emocionais, à autoimagem e a visão de mundo. Ex: a posição dos ombros em relação ao peito e ao pescoço (mais levantados ou mais para frente); a intensidade da curva lombar, a pressão da mordida ou a força com que seguramos a caneta.

As intenções posturais são anteriores às intenções cinéticas, são experiências passadas que se tornaram um fundo mais um menos permanente para o agir. Revelam a história de vida, características da família e até mesmo os traços culturais.

3. Movimentação vital.

Aqui estamos diante da manifestação de uma intencionalidade ainda mais antiga, mais primal. A inteligência e as intenções deste nível de atividade não foram adquiridas durante a biografia pessoal, nem durante a história das civilizações.  Estes movimentos vitais, como estou chamando aqui, reverberam o longo processo de organização da vida aqui na Terra. São expressão do tempo filogenético, as centenas de milhões de anos em que o sistema nervoso e a anatomia corporal ganharam forma e desenvolveram seus padrões fundamentais de ação.

A expressão desta camada mais instintiva, que é complexa e riquíssima, está diretamente relacionada com a ideia de vitalidade.  Como exemplo podemos pensar nos reflexos de equilíbrio que permeiam toda a nossa relação com a gravidade. Você está descendo do ônibus, tropeça, e sem saber como, dando pequenos saltos, movimentando os braços, a cabeça e todo o corpo, consegue se equilibrar e de repente se encontra em pé na calçada. Em dois ou três segundos, a inteligência de milhões de anos evitou que você se machucasse e continuou atuando para que você ficasse em pé plenamente orientado na vertical.

Um outro exemplo é a respiração. A sabedoria presente no ato de respirar é muito mais do que ancestral, é primitiva (na melhor acepção da palavra). Há uma coordenação muito sofisticada de ritmo e de força entre o diafragma e os músculos que ligam as costelas umas às outras e ao pescoço. Como sabemos, são movimentos vitais. E aqui podemos perceber como a camada dos hábitos posturais interage com os movimentos vitais, podendo deixar a respiração mais curta e mais localizada, ou amplamente expandindo-se em todas as direções.

Método Feldenkrais: vitalidade e inteligência


O Método Feldenkrais traz estratégias pedagógicas para Integrar estes três níveis de ação. São princípios que ajudam a integrar os hábitos de postura aos motivos da ação atual. Não se trata de aprender uma postura estereotipada segundo modelos de certo e errado. Muito pelo contrário, através da prática de sequências especiais de movimentos, o Método Feldenkrais combina imaginação, autoimagem e sensorialidade aproveitando o que há de singular em cada pessoa.

As lições de “Consciência pelo Movimento” suspendem a urgência dos atos correntes e penetram no tempo e na lógica dos padrões posturais. A partir daí, estas sequências de movimentos nos conduzem através de uma exploração que flexibiliza os hábitos e dinamiza as respostas tônico-posturais permitindo a expressão dos movimentos vitais.

O criador do Método dizia que o objetivo era a aproximação entre vontade e instinto, ou seja, entre a iniciativa consciente de um movimento e as tendências inatas. É o que estou chamando de integração tônico-cinética das intenções, quando os três níveis de intencionalidade e inteligência cooperam e seguem num mesmo objetivo. Uma qualidade de vida em que a expressão espontânea da vitalidade e a condução inteligente do fluxo dos movimentos se combinam numa organização postural maleável e certeira na direção dos sonhos escolhidos.

VIVENCIE NA PRÁTICA – WORKSHOP EM SÃO PAULO NO PRÓXIMO FIM DE SEMANA


Data: ATENÇÃO, O WORKSHOP FOI ADIADO PARA 18/06

Investimento: R$ 120,00

Espaço Vajra – R Pelotas 302f, Vila Mariana – SP

Além da parte vivencial, serão apresentados:

  • Biografia do Dr. Moshe Feldenkrais
  • História do Método
  • O que é uma Formação Feldenkrais
  • O que já está disponível no Brasil.

INSCRIÇÕESfeldenkraisbrasil@gmail.com ou

Mariana  (11) 8963-4104 e  (11) 2807-1999

Instrutor: Hans Reikdal Machado – Psicólogo (USP), artista marcial (ving tsun kung fu) e instrutor de Feldenkrais (certificado pelo Feldenkrais Guild of North America). (saiba mais…)

Mais informações no blog Núcleo Feldenkrais Brasil.

Comments (1)

Saúde de corpo e mente

Nos próximos dias os paulistanos terão uma oportunidade ímpar pra romper o ciclo aparentemente interminável do estresse que ronda o povo da megalópole, pois estarão por aqui os terapeutas italianos Samadhi Sergio Pirolla e Sasha Pirazzoli. Discípulos de Osho, fazem trabalhos de reequilíbrio espiritual e energético combinando técnicas de meditação com massagem e dança. Uma das práticas é o Osho Rebalancing, que combina diversas técnicas de manipulação miofascial, liberação das articulações, alongamento assistido, trabalho respiratório e bioenergético, expressão emocional e meditação.

No sábado (19/02), das 20:00 as 22:00, eles farão, no Estúdio Oito Nova Dança (Rua Grajaú, 534 – Sumaré), uma meditação ativa seguida de uma palestra (gratuito) para apresentar o curso de massagem Rebalancing que eles dão em Piracanga (BA) (Primeiro módulo: 26 março – 02 Abril 2011 – Segundo Módulo: 21-28 Maio – Terceiro Módulo: 29 outubro até 05 de Novembro 2011).

Um dos trabalhos que eles irão fazer aqui em Sampa é o Love Spirit, uma prática que une a meditação ativa, dança e outras técnicas de compartilhamento em grupo. Essa prática será realizada no domingo 20/02 no espaço Nova Dança (Rua Grajaú, 534 – Sumaré), tem duração das 9:00 as 19:00 e um custo de R$ 120.

Durante a semana (21, 22, 24 e 25/02) eles atendenderão em sessões individuais de massagem no Espaço Luzeiro (Rua Armando Ferrentini, 520 – Aclimação). Cada sessão dura 1h30 e custa R$ 130.

Mais informações sobre o casal e as técnicas, no VitaTotale.

Mais informações sobre as atividades em São Paulo podem ser obtidas  com Luciana Kater, 9476-5666.

Saúde!

Comments (1)

Retorno aos tempos dourados

Como aceitamos o fato de não consagrar nem mesmo alguns breves momentos por dia à introspecção? Estamos endurecidos, insensíveis, blasés a esse ponto? Ficamos realmente satisfeitos com uma conversinha espirituosa e um pouco de entretenimento banal? Vamos olhar para dentro. Há muito a fazer.

Vale a pena dedicar um momento de cada dia para cultivar o pensamento altruísta e observar o funcionamento da mente. Que não haja dúvida: Essa investigação nos ensinará mil vezes mais, e de maneira muito mais duradoura, do que uma hora dedicada a ler as notícias locais ou os resultados esportivos! Não se trata de ignorar o mundo, mas de fazer bom uso de nosso tempo. De qualquer maneira, não precisamos ter medo de cair no extremo, vivendo como vivemos, nesta era de distrações onipresentes, em que o acesso à informação geral nos leva bem perto do ponto de saturação. Trata-se, sim, de que estamos estagnados no extremo oposto: grau zero de contemplação. Podemos dedicar a ela alguns segundos, quando algum revés emocional ou profissional nos força a “pôr as coisas em perspectiva”. Mas como e por quanto tempo? Com muita frequência, só ficamos esperando que “passe o mau momento”, buscando ansiosamente alguma distração para “mudar as idéias” ou “refrescar a mente”. Mudam os atores e o cenário, mas a peça continua a mesma.

Por que não sentar-se à margem de um lago, no topo de uma montanha, ou em uma sala tranquila, para examinar de quê somos feitos, no mais profundo de nós mesmos? Primeiro, examinar o que mais nos importa na vida, e depois, estabelecer prioridades entre as coisas essenciais e as outras atividades a que forçosamente impomos ao nosso tempo. Podemos também nos beneficiar de certas fases da vida ativa para nos reencontrarmos e voltar o olhar para dentro. Tenzin Palmo, uma monja inglesa que passou muitos anos em retiro, escreveu: “As pessoas dizem que não têm tempo para a meditação. Não é verdade! Você pode meditar quando anda pelo corredor, quando espera que o sinal abra para você no trânsito, trabalhando no computador, quando está em uma fila, no banheiro, penteando o cabelo. É preciso criar o hábito de estar no presente, sem os comentários mentais”

O nosso tempo é contado desde o dia que nascemos, cada segundo, cada passo nos traz mais próximos da morte. O eremita tibetano Patrul Rimpoche lembra-nos poeticamente que:

A medida que sua vida passa como o mergulho do sol poente,

A morte se aproxima, como as sombras da noite se alongam.

Longe de fazer com que fiquemos desesperados, uma percepção lúcida da natureza das coisas, ao contrário, nos inspira a viver plenamente cada dia que passa. A não ser que examinemos a nossa vida, daremos por certo que não temos escolha e que é mais fácil fazer uma coisa depois da outra. Como sempre fizemos e sempre faremos. Mas se não abandonarmos os entretenimentos fúteis e as atividades estéreis do mundo, certamente elas não nos abandonarão, vindo a tomar cada vez mais espaço em nossa vida. Se adiarmos a nossa vida espiritual para amanhã, a nossa negligência se repetirá dia após dia. O tempo voa! A morte se aproxima a cada passo que dou, a cada olhar que tenho para o mundo, a cada tique-taque do relógio. Ela pode nos alcançar a cada instante, e não há nada que possamos fazer a respeito. Se a morte é certa, o momento de sua chegada é imprevisível. Como disse Nagarjuna, dezessete séculos atrás:

Se a vida é assolada por muitos males

E é ainda mais frágil do que uma bolha na água

É um milagre, depois de ter dormido

Inspirar, expirar, e acordar disposto!

No nível prático, se quisermos vivenciar nossa relação com o tempo de maneira harmoniosa, devemos cultivar certo número de qualidades. A atenção plena nos permite que permaneçamos alerta à passagem do tempo, e evita que ele se vá sem que percebamos. A motivação adequada é que dá ao tempo suas cores e o seu valor. A diligência nos permite fazer bom uso dele. A liberdade interior evita que ele seja monopolizado pelas emoções perturbadoras. Cada dia, cada hora, cada segundo é como uma flecha que voa para seu alvo. O tempo certo para começar é agora.

Trecho do livro “Felicidade”, de Matthieu Ricard (Palas Athena), monje budista que teve uma promissora carreira na área da genética celular antes de deixar a França para estudar o Budismo, no Himalaia, há trinta e cinco anos. É autor de vários bestsellers, fotógrafo e participante ativo das atuais pesquisas científicas  sobre os efeitos da meditação no cérebro. Vive e trabalha em projetos humanitários no Tibete e no Nepal.

Comments (2)

%d blogueiros gostam disto: