Posts Tagged música

Respiração Holotrópica

Respirar, um ato cotidiano automático, mas vital. Passamos a maior parte do tempo sem perceber que estamos respirando, e como estamos respirando. Ocupados e entretidos nos processos da mente, mal nos damos conta da inteligência corporal, que cuida sozinha desse processo fantástico e vital. Mas bastam alguns poucos segundos sem ar, e a vitalidade do processo se torna instantaneamente óbvia.

Em contextos científicos, respirar é definido como o processo de inalar e exalar o ar, durante o qual ocorre a troca de moléculas gasosas entre o corpo e o meio ambiente – nós captamos mais oxigênio e exalamos mais gás carbônico por exemplo, enquanto plantas fazem o oposto.

Mas em contextos mais amplos, atribuímos à palavra respirar inúmeros outros significados, como de sentir alívio, de descansar, repousar, ou de exprimir, manifestar e revelar: “tudo aqui respira alegria.”

O outro lado da moeda é a falta de ar, que é associada a coisas ruins, ao desconforto, sufoco, pânico, desentendimento e morte.

Esta breve reflexão nos leva a um lampejo de uma realização profunda que é explorada sistematicamente por várias culturas faz milênios. O ato de respirar é central em toda nossa fisiologia e psique. E diversas técnicas foram desenvolvidas, desde as mais simples, praticadas por qualquer um em momentos de desalento – “calma, respira!” – até outras mais sofisticadas, como os exercícios de pranayama da yoga e as várias técnicas respiratórias que formam um dos pilares centrais das práticas meditativas.

Ao focar na respiração, e voluntariamente modificá-la, aprofundando, acelerando ou lentificando, ou até mesmo parando por determinado período, podemos exercer efeitos em nossa psique. Até mesmo quando o objetivo não é esse, o resultado aparece: mergulhadores sentem com frequência os efeitos relaxantes e de abertura da mente enquanto estão de baixo d’água, mesmo que não se dêem conta de que estão, de certa forma, meditando, pois a concentração na respiração tem que ser intensa.

Atenção na respiração foi uma das brilhantes sacadas de Stanislav Grof, psiquiatra Tcheco que vive nos EUA, ainda nos anos 60. Grof foi o último pesquisador a encerrar suas pesquisas com substâncias psicodélicas após a proibição, que começou a vigorar nos EUA no fim dos anos 60. Após este baque, que encerrou o que alguns ainda consideram “a era de ouro da psiquiatria”, Grof passou por um período de reavaliação de suas descobertas e rumos profissionais: ele conduziu milhares de sessões terapêuticas com LSD e arquivou uma infinidade de papéis e documentos sobre seus pacientes – e também mais alguns milhares fornecidos por seus de colegas.

Essa revisão transcorreu ao longo de alguns anos, durante os quais Grof participou e organizou seminários inéditos e únicos no Instituto Esalen, na Califórnia. Interessados no fenômenos da consciência de maneira ampla e não-reducionista se encontraram periodicamente em um local telúrico. Monges, cientistas, médicos, gurus, mestres de artes marciais, artistas, cientistas, empresários, exploradores etc. Todos reunidos com a finalidade de explorar, aprender e desenvolver novas técnicas para a vivência segura dos estados extra-ordinários de consciência.

Um dos resultados desta jornada foi a criação, por Stan Grof e sua esposa, Christina Grof, da técnica de Respiração Holotrópica. É uma abordagem de autoexploração e terapia, que pode ser vivenciada em sessões particulares, mas mais comumente é praticada em grupo. Os participantes formam duplas. Enquanto um “respira”, o outro cuida. E a equipe treinada fica de prontidão, circulando pela sala, atendendo os casos de necessidade, conforme vão surgindo. O respirar aqui não é o respirar automatizado e inconsciente do dia a dia. É um respirar focado, atento, consciente. Respira-se profundamente e aceleradamente, deitado em um colchonete, de olhos fechados ou vendados.

É uma jornada interior. Um passeio pelos domínios arquetípicos da psique. Pra facilitar e guiar o processo, músicas acompanham todo o trabalho, que dura cerca de três horas. Assim, cada participante vive o seu processo, sem interrupções, sem diálogo e sem qualquer direcionamento por parte da equipe. A idéia central é se conectar com um eu mais profundo, que tem uma sabedoria que nos leva quase que espontaneamente a processos de cura e tranformação.

O trabalho é acompanhado ainda por arte-terapia após a sessão de respiração, e rodas de compartilhamento, onde cada participante divide com o grupo aquilo que foi mais importante e profundo de sua experiência. O compartilhamento é um momento importante, nos ajuda a consolidar pelo que passamos e nos ajuda a formar um senso de comunidade, ao tirar o foco apenas de nós mesmos e nos estimular a dar atenção e ouvido ao próximo.

Nos próximos meses, a Respiração Holotrópica estará perto de São Paulo. No começo de março, teremos um workshop de um fim de semana, introdutório sobre a técnica. Na sexta-feira, 01 de março, uma palestra introdutória, gratuita. No sábado, duas sessões de respiração, onde os participantes alternarão entre o papel de “respirantes” e cuidadores, sendo possível então que cada um respire uma vez. No domingo, ocorrerá mais um compartilhamento e o encerramento das atividades no almoço.

E em Abril, uma vivência mais prolongada e intensa estará disponível durante um módulo do “Grof Transpersonal Training”, programa de formação de profissionais em Respiração Holotrópica, mas que também recebe pessoas que estejam interessadas no autoconhecimento sem a necessidade de continuar ou fazer parte da formação como um todo.

Ambos acontecerão no ENAI, em São Roque, cerca de 30 minutos de São Paulo pela Raposo Tavares.

holo

gtt xamanismo

Mais informações e inscrições em http://www.aljardim.com

Plantando consciência tem à venda o livro “Respiração Holotrópica, Uma nova abordagem de autoexploração e terapia”, recentemente lançado no Brasil pela Editora Numina. O livro detalha a história, os conceitos, a prática, as músicas e os resultados. Um manual completo! Interessados, favor entrar em contado pelo email plantando@plantandoconsciencia.org

Anúncios

Comments (2)

Feios, sujos e malvados.

A Cultura do Grátis e o Direito Autoral.

A questão de se semear consciência é uma tarefa extremamente delicada e de longo prazo, se não por inúmeros, por um motivo específico: a consciência sobre determinado problema ou situação não sinaliza a solução dos mesmos, como sugere o filme-de-auto-ajuda-disfarçado-de-documentário-científico “O Segredo”. Em outras palavras, consciência é apenas o alerta para a necessidade de mudança efetiva na sociedade, mudança que, apenas após aplicados mútuos esforços práticos, virá sempre com “atraso”.

Nesta semana três notícias importantes do universo digital provocam esta reflexão. Em meio à polêmicas sobre ter plagiado a Wikipedia (uma curiosa forma de auto-referência ao conteúdo sobre o qual versa), Chris Anderson, editor da respeitada revista tecnologia Wired e criador do conceito da cauda longa – que identifica que produtos de massa não servem mais em um mercado multifacetado pela variedade de gostos e desejos -, lança o seu polêmico livro Free!, em que aponta e defende o futuro de uma economia do grátis. Todo mundo que já baixou música e/ou filmes de graça na internet, sabe que esta cultura parece mesmo que veio para ficar. Se não baixou, você inevitavelmente já leu notícias de graça (como está fazendo agora), instalou softwares gratuitos no seu computador, assistiu a vídeos do You Tube e ouviu músicas no Myspace, Lastfm ou num podcast, entre outros. Anderson sugere que o futuro será desenvolvido a partir desta nova forma de troca desmonetarizada, a partir do ganho via anúncios.

Enquanto isso, a Folha de SP publicou nesta segunda-feira matéria no caderno Ilustrada sobre o sucesso de uma empresa de vigilância da internet especializada na proteção e policiamento de direitos autorais na web e no combate à pirataria, que tem funcionado como uma “espécie de segurança on-line de uma longa e respeitável lista de artistas”. No entanto, o jornalista Ronaldo Lemos, que assina a reportagem, acerta a mão ao lembrar que a Web Sheriff

(cuja lista de clientes inclui músicos, gravadoras, estúdios de cinema, celebridades, editoras de livros e jornais), bem como outras empresas deste tipo, faturam “vendendo ilusões”, já que o controle total do que é colocado para download ou postado em vídeo é praticamente impossível. E que a única maneira de se combater a pirataria (assim como o tráfico de drogas, acrescento) não é no campo da lei, da polícia, ou da repressão privada, mas no campo econômico. Como exemplo, Lemos menciona uma pesquisa que aponta uma redução na pirataria peer-to-peer na Inglaterra, graças a serviços pagos e baratos que atendem as necessidades mais urgentes do usuário. Em contrapartida, esta onda de privatização do combate à pirataria “é como contratar um brutamontes para sair nas ruas de uma grande metrópole. Pode gerar uma sensação de segurança, mas não reduz em nada a violência urbana”.

Do outro lado do espectro, a terceira notícia, que de certa forma corrobora com a tese de Anderson e com a análise de Lemos, é a declaração do porta voz do RIAA (a entidade que representa as gravadoras e luta pela defesa dos direitos autorais nos EUA, e que processa provedores e usuários por causa de downloads ilegais), admitindo publicamente a ineficácia do sistema de autenticação digital conhecido como DRM, e usado por sites de downloads pagos e grandes gravadoras com o intuito de proteger-se da pirataria. Apenas dois anos atrás, o CEO da RIAA Mitch Bainwol defendia que o DRM era uma ferramenta de proteção ao consumidor. Agora, apesar da “morte anunciada” do DRM, a questão ainda é uma pequena vitória numa luta de trincheira entre pequenos Davis (a população) e os Golias corporativos. Mesmo assim, isto sinaliza que está havendo uma mudança drástica na consciência do mundo pós-internet e que as coisas nunca mais serão as mesmas.

Na contramão desta conscientização, e voltando ao parágrafo que abriu este post, temos no Brasil um exemplo dinossáurico da defasagem da lei em relação à realidade dos nossos tempos. Ao passo em que grandes gravadoras sofrem com a queda vertiginosa das vendas e artistas de massa contratam serviços privados de coação e vigilância da internet, um órgão que já não faz mais sentido no mundo contemporâneo segue inabalado fazendo ronda pelas ruas do país como abutres atrás de carniça, extorquindo dinheiro de quem puder, com respaldo legal.

Estamos falando do ECAD (veja este exemplo anacrônico de interpretação da lei no próprio site do órgão para entender a logística), instituição de arrecadação de direitos autorais que mantém fiscais sentinelas atrás de qualquer evento que conte com “execução musical”. Veja bem, execução musical significa que – segundo informação extraída de um próprio fiscal do órgão no ato de sua vigília – qualquer sonorização que não seja feita “em ambiente domiciliar ou dentro do carro” é sujeita à taxação. Por qualquer sonorização inclui-se colocar desde CDs de mantras de autores desconhecidos em escolas de Yoga, a tocar música em casamentos, bares, casas noturnas, padarias, elevadores ou na praça. Seja ela ao vivo ou mecânica, não importa. Em tese, se você cantar parabens pra você em lugar público, está sujeito à cobrança do ECAD, por lei.

Vamos explorar um pouco esta questão. Se por um lado o ECAD parece ter méritos ao redistribuir dinheiro a compositores e artistas que vivem disso, e se até aí parece apenas o cumprimento da lei, engula esta: no caso de artistas não cadastrados em algum órgão de proteção de direitos autorais (como a Ordem dos Músicos do Brasil ou a ABRAMUS), como a maioria das bandas indies que tocam em bares e casas noturnas país afora, ou no caso de músicas cujo detentor dos direitos já morreu e não há descendentes legais, o dinheiro é arrecadado de qualquer forma, e transferido para – PASMEM – os artistas no topo das vendas.

Sim você ouviu bem. Se um DJ inventa música na hora mesclando trechos de LPs ao vivo, se um artista performático cria ruídos sonoros com uma antiga máquina de escrever numa galeria de arte, uma banda de garagem toca suas próprias composições na balada ou a comunidade do bairro organiza uma festa junina na rua, quem ganha com isso é gente como Rick & Renner, Roberto Carlos, Zezé di Camargo, Caetano Veloso e assim por diante. A questão é chocante, e só o é porque nós não paramos para questionar este modelo, que premia os que já são ricos e tira dos menos afortunados.

O ECAD, sob o manto de estar defendendo a lei e os direitos do artista, está na verdade eternizando um ciclo abusivo de recompensas para poucos privilegiados. Compor uma canção não é uma tarefa intangível para os seres humanos normais. E fazer uma música estourar também não é fruto de genialidade artística inquestionável, mas de uma conjunção de fatores como sorte, timing, contatos, berço, faro para negócios. Muitos artistas criativos ganharam notoriedade apenas após a sua morte. E muitos (cada vez mais, como aponta Chris Anderson e sua tese da cauda longa), não buscam mais se tornar fenômenos de massa, afim de receber dinheiro pro resto da vida sem fazer esforço, mas sobrevivem sendo criativos nos tempos modernos, o que pode ser notado pela mobilização das bandas independentes que disponibilizam suas músicas de graça na internet e procuram ganhar dinheiro através de outras formas de ação, como vender edições diferenciadas de seus discos em shows, souvenirs, camisetas e, principalmente, tocar muito ao vivo, fazendo turnês (ou seja, trabalhando, como todo mundo).

Mesmo assim, ainda somos reféns de uma consciência ultrapassada da arte e do direito autoral, que permite a órgãos como o ECAD saquearem a comunidade em nome da lei. Mal para os empresários da cultura, mal para os artistas, mal para a população, que vê suas opções culturais ameaçadas por uma questão que, em tempos de Creative Commons, podcasts e cultura do grátis, é algo que está deixando de fazer sentido.

O ECAD é uma demonstração não apenas de absoluta defasagem e abuso da lei, mas de uma lógica que simplesmente não cabe mais no mundo de hoje. Assim como a polêmica em relação ao uso da Lei Rouanet para financiar shows lucrativos de grandes artistas com dinheiro público. Há muito o que percorrer enquanto formos geridos por uma mentalidade defasada, que apenas se mantém viva e praticante por inércia e respaldo de leis criadas em outros tempos, em outro mundo.

Comments (1)

Pra bom entendedor meia palavra bas…

Mariana Ayadar planta consciência em sua música Tá?, que você pode ouvir no myspace. Eis a letra:

Pra bom entendedor, meia palavra bas
Eu vou denunciar a sua ação nefas
Você amarga o mar, desflora a flores
Por onde você passa, o ar você empes

Não tem medida a sua ação imediatis
Não tem limite o seu sonho consumis
Você deixou na mata uma ferida expos
Você descore as cores dos corais na cos
Você aquece a Terra e enriquece a cus
Do roubo, do futuro e da beleza, augus

Mas do que vale tal riqueza?
Grande bos
Parece que de neto seu você não gos
Você decreta a morte, a vida indevis
Você declara guerra, paz, por mais bem quis
Não há em toda fauna, um animal tão bes
Mas já tem gente vendo que você não pres

Não vou dizer seu nome porque me desgas
Pra bom entendedor, meia palavra bas
Não vou dizer seu nome porque me desgas
Pra bom entendedor, meia palavra bas
Bom entendedor, meia palavra bas
Bom entendedor, meia palavra bas
Pra bom entendedor, meia palavra bas

Pra bom entendedor, meia palavra bas
Eu vou denunciar a sua ação nefas
Você amarga o mar, desflora a flores
Por onde você passa, o ar você empes

Não tem medida a sua ação imediatis
Não tem limite o seu sonho consumis
Você deixou na mata uma ferida expos
Você descore as cores do coral na cos
Você aquece a Terra e enriquece a cus
Do roubo, do futuro e da beleza, augus

Mas do que vale tal riqueza?
Grande bos
Parece que de neto seu você não gos
Você decreta a morte, a vida indevis
Você declara guerra, paz, por mais bem quis
Não há em toda fauna animal, um tão bes
Mas já tem gente vendo que você não pres

Não vou dizer seu nome porque me desgas
Pra bom entendedor, meia palavra bas
Não vou dizer seu nome porque me desgas
Pra bom entendedor, meia palavra bas
Bom entendedor, meia palavra bas
Bom entendedor, meia palavra bas
Pra bom entendedor, meia palavra bas… ta!

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: