Posts Tagged prozac

Ayahuasca and depression

Brian Anderson, especially for Plantando Consciência

(veja versão em português)

This essay is meant to make available to the lay reader some basic information on the topic of ayahuasca and depression. Health decisions should not be made on the basis of this information alone, rather they should be made with the consultation of a trusted health care professional, an experienced folk healer, or a religious leader. Like all substances with medicinal properties, ayahuasca can be harmful if used incorrectly; of course, what consists of the “correct” and healthy use of ayahuasca is debatable.

One health-related question regarding ayahuasca that comes up frequently is whether people taking antidepressant drugs can drink ayahuasca? This question cannot at the moment be answered in a very satisfying manner, but we can make an initial attempt at it.

Depression is a very common illness. Although it is often spoken of as a “mental illness,” depression can consist of physical as well as psychological symptoms, including decreased mood, the inability to experience pleasure, decreased energy, loss of appetite, loss of concentration, sleeping more or less, feelings of guilt, agitation, physical pains, and suicidal thoughts. The use of ayahuasca to treat symptoms like these has likely been around for decades—one well-known book describing such a use of ayahuasca is Marlene Dobkin de Rios’ Visionary Vine. Attempts to use ayahuasca in traditional settings to treat depression has also been documented recently.[i] No biomedical clinical trials using ayahuasca to treat depression have yet been completed, but some scientists do believe that other psychedelics, like psilocybin, may be useful in the treatment of depression.[ii] So, there is a chance that scientific research may shed some more light on if and how ayahuasca use might have beneficial effects on depression.

Before we get to the question of negative medication interactions with ayahuasca, it should be noted that even in people who are not taking psychiatric medications, ayahuasca can have harmful psychological effects (such as inducing psychotic or depressed states), even if these cases are relatively rare. It is thought that psychedelics in general may precipitate psychotic states in people who are predisposed to such reactions.[iii] Other negative reactions may occur when the ayahuasca user lacks the proper social support to help them integrate their experiences after the session.[iv] It is important for their own health that people with a history of psychosis do not drink ayahuasca.[v] And although some depressed people may report feeling better after taking ayahuasca, people who suffer from depression with psychotic symptoms should probably avoid ayahuasca as well.

Much of the concern regarding the use of ayahuasca by people taking antidepressant medications seems to stem from the issue of the “serotonin syndrome” raised by James Callaway and Charles Grob in their 1998 article “Ayahuasca Preparations and Serotonin Reuptake Inhibitors: A Potential Combination for Severe Adverse Interactions.”[vi] The serotonin syndrome is characterized by the signs and symptoms of fever, elevated pulse and blood pressure, confusion and agitation, convulsions, tremor, muscle rigidity, increased joint reflexes, dilated pupils, continuous horizontal eye movements, sweating, vomiting, and diarrhea.[vii] These symptoms usually start within minutes of consuming drugs that excessively increase levels of serotonin, and if left untreated severe cases can result in death. In the case of suspected serotonin syndrome, medical help should be sought immediately; this is complicated though in the case of ayahuasca users because several of these symptoms can be normal short-term effects of ayahuasca use.

The serotonin syndrome is a concern among ayahuasca users because ayahuasca contains harmala alkaloids like harmine and harmaline, which act as monoamine oxidase inhibitors (MOAIs), meaning they stop serotonin from being broken down, and hence increase levels of serotonin in the body. Therefore if a person who is taking antidepressant drugs like MAOIs, or the more frequently used selective serotonin reuptake inhibitors (SSRIs), it is feared that they could raise their serotonin levels too high if they also drank ayahuasca. Interestingly , however, despite the fact that 1000s of people across Brazil and other countries regularly drink ayahuasca, and that many of them are likely to be taking antidepressant medications, not a single case of suspected serotonin syndrome from ayahuasca use has appeared in the scientific literature since Callaway & Grob’s 1998 article. There are several possible reasons for this, only one of which is that such cases truly are very rare or non-existent, but the idea that severe cases of serotonin syndrome rarely occurs, at least in the Brazilian ayahuasca religion União do Vegetal (UDV), is supported by the statement made by the psychiatrist Luis Fernando Tófoli, coordinator of the Mental Health Committee for the UDV, that he has never heard of any reports of such cases occurring in the UDV.[viii] Of course, this lack of evidence of harm should not necessarily be taken as evidence of safety. Furthermore, Tófoli does comment that it is important to avoid using ayahuasca while taking the MAOI tranylcypromine. This is because tranylcypromine is an “irreversible” MAOI, meaning its effects last longer than other “reversible” MAOIs like moclobemide.

This brings us to another point—the effects of some drugs, including antidepressants, will last longer than those of other drugs after one stops taking them. The effects of the SSRI Prozac (fluoxetine), for example, can last for weeks after the last dose; so even if someone were to stop taking an antidepressant in order to avoid having a negative interaction with ayahuasca, such an interaction may still be possible for days after the medication was stopped. Also, quickly stopping a medication is not always a benign process—besides the potential of leading to a worsening of mental health, stopping a psychiatric medication suddenly can sometimes lead to physical symptoms, such as gastrointestinal cramps in people who have used an SSRI for a long time.

This has been a quick review of what is known within the academic sciences on the topic of ayahuasca and depression, and has attempted to address concerns around the possibility of the potentially lethal serotonin syndrome occurring in people who are taking antidepressant medications while they drink ayahuasca. It should be noted that not only antidepressant drugs are thought to be associated with the serotonin syndrome, but so are pain medications like meperidine, the antibiotic Linezolid, the cough-suppressant and sometimes recreational drug dextromethorphan, and several other drugs.[ix] How these medications may interact with ayahuasca is unknown, especially given the many different methods that exist for preparing ayahuasca. In summary, ayahuasca is a truly complex substance, and the experiences people have, and the relationships they can develop, with the brew are even more complex. Far more is unknown than is currently known about how ayahuasca affects mental health. And beyond the substance itself, the contexts and ways in which ayahuasca is used can be quite important, thus compounding the complexity of ayahuasca’s effects on mental health. As with the use of most drugs as mental health therapies, context and concomitant interpersonal support are crucial for cultivating the drug’s optimal effects—this fact should not be ignored.


[i] Palladino, L. 2010. Vine of the Soul: A Phenomenological Study of Ayahuasca and its Effects on Depression. Ph.D. dissertation, Program in Clinical Psychology, Pacifica Graduate Institute.

[ii] Grob, C. S., A. L. Danforth, G. S. Chopra, M. Hagerty, C. R. McKay, A. L. Halberstadt and G. R. Greer. 2011. Pilot Study of Psilocybin Treatment for Anxiety in Patients with Advanced-Stage Cancer. Archives of General Psychiatry 68(1):71-8.

Vollenweider, F. X., and M. Kometer. 2010. The Neurobiology of Psychedelic Drugs: Implications for the Treatment of Mood Disorders. Nature Reviews Neuroscience 11:642-51.

[iii] Strassman, R. J. 1984. Adverse Reactions to Psychedelic Drugs: A Review of the Literature. The Journal of Nervous and Mental Disease 172(10):577-95.

[iv]Lewis, S. E. 2008. Ayahuasca and Spiritual Crisis: Liminality as Space for Personal Growth. Anthropology of Consciousness 19(2):109-33.

[v]Santos, R. G., and Strassman, R. J. 2008. Ayahuasca and psychosis. British Journal of Psychiatry (online). 2008.

[vi] Callaway, J. C., and C. S. Grob. 1998. Ayahuasca Preparations and Serotonin Reuptake Inhibitors: A Potential Combination for Severe Adverse Interactions. Journal of Psychoactive Drugs 30(4):367-9.

[vii] Boyer, E. W., and M. Shannon. 2005. The Serotonin Syndrome. New England Journal of Medicine 352:1112-20.

[viii] Almeida, C. 2010. Pesquisas testam potencial benefício da ayahuasca contra depressão e dependência. Bol Notícias. http://noticias.bol.uol.com.br/ciencia/2010/04/26/pesquisadores-testam-beneficios-da-ayahuasca-contra-a-depressao.jhtm Accessed 26 April.

[ix] Boyer, E. W., and M. Shannon. 2005. The Serotonin Syndrome. New England Journal of Medicine 352:1112-20.

Brian Anderson

MD candidate, Stanford University School of Medicine

MSc candidate, BIOS Centre, London School of Economics

Researcher, Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre Psicoativos

Comments (8)

E agora, doutor?

“Toda verdade passa por três estágios. Primeiro, ela é ridicularizada. Depois, é violentamente refutada. E num terceiro momento, ela é aceita como sendo auto-evidente“ – Arthur Schopenhauer

Educado numa família cuja única fé é na ciência, cresci entendendo que um dos pilares que sustentam a nossa civilização é a medicina moderna. Se o mundo é atormentado por guerras, violência, epidemias, dor e morte… a medicina é o antídoto e o equilíbrio para todo esse sofrimento. No meu olhar de classe média intelectualizada, todo aquele papo sobre “energias” e curas espirituais não passava de um truque psicológico pra faturar em cima de frágil crença do pobre cidadão sem educação. Energia, segundo aprendi em casa, é o que acende as lâmpadas.

Então o tempo foi passando e o caminho que as coisas tomaram não foi exatamente aquele previsto pela milagrosa sociedade capitalista científico-tecnológica, aquela que venceu a barbárie das doenças infecciosas e rituais supersticiosos. O mundo não melhorou, e curiosamente as únicas pílulas que parecem ter deixado as pessoas mais felizes são consideradas “schedule I” (a lista 1 de substâncias proibidas) de acordo com os preceitos do FDA. E não se pode comprar ecstasy na farmácia, nem mesmo com prescrição médica. Então ‘bora pros ansiolíticos e antidepressivos, as drogas da vez da sociedade moderna.

Eu não conheço ninguém que não conheça alguém que toma antidepressivos, estabilizadores de humor, calmantes ou outros da mesma sorte. Curiosamente, as pessoas que eu conheço que incluíram estes medicamentos na sua dieta são os mais bem sucedidos do ponto de vista do capitalismo: a grande maioria está “bem empregada” e conquistou uma posição financeira capaz de promover segurança e conforto. Todos estão comprando apartamentos, tem Wii com Rock Band em casa, e carros de valor cotado acima das três dezenas de milhar, pra ficar no mínimo denominador comum.

Por outro lado, riquezas acumuladas ao longo de uma vida inteira são gastas em um punhado de anos com medicamentos, médicos, enfermeiras e internações hospitalares naqueles que têm que encarar um câncer, parkinson, alzheimer e tantas outras doenças degenerativas que afetam muitos de nossos idosos (e outros nem tão idosos assim).

As pessoas “chegaram lá”, mas não encontraram a felicidade, ou a plenitude. E a medicina moderna não preencheu este vazio. Pelo contrário, Michael Jackson, Brittany Murphy e Heath Ledger têm em comum o fato de terem inaugurado a era das celebridades que morrem por overdose de remédios prescritos. O mundo moderno está em crise de consciência, e consequentemente de saúde. Crise aliás, é o termo se tornou a definição por excelência dos nossos tempos, não é?

E agora, como sair dessa? Olhe em volta. Que alternativas você consegue encontrar? Veja o modelo espiritualizado da física quântica, o olhar simbiótico da permacultura, o debate inevitável acerca da falência da guerra às drogas, a popularização da yoga, a falência moral do sistema monetário… a impressão pra quem pega o bonde andando é que voltamos aos anos 60.

E é mais ou menos isso mesmo. Como colocado no filme de João Amorim, 2012 Tempo de Mudança, existe uma idéia errônea de que os anos 60 “fracassaram”, quando na verdade as mudanças compulsórias de hábitos que estão marcando a nossa época são herança direta daquele período, pioneiro em diversas áreas como a yoga, comida orgânica, feminismo, vanguarda artística, liberação sexual, psicodelia e assim por diante.

Dentre as áreas que hoje resgatam a tradição dos anos 60 e merecem nossa atenção, uma das mais fundamentais é a  medicina. Vamos ser honestos. Os hospitais públicos estão sobrecarregados. Os hospitais privados e laboratórios de exame emergem imponentes na paisagem urbana como templos luxuosos, que oferecem mais mimos e distrações do que cura propriamente, quem já teve um parente internado sabe bem disso.

Fora dos hospitais a realidade não é muito diferente. A grande maioria das consultas médicas são motivadas primeiramente por distúrbios psicossomáticos. Segundo o professor de medicina e psiquiatria da New York Medical College PJ Rosch, 70 a 90% das visitas a consultórios médicos nos EUA são relacionadas ao estresse, que leva os americanos a consumirem 5 bilhões de tranquilizantes todo ano.

Na verdade, as pessoas acreditam no que querem acreditar e não acreditam naquilo que não querem acreditar, independentemente dos fatos e evidências” – Dr. Andrew Weil

O buraco é ainda mais embaixo. Cansados de ver milhões de vidas sendo ceifadas em nome de doenças misteriosas como o câncer e a AIDS, que mesmo após mais de um século de progresso científico-tecnológico e do desenvolvimento da medicina moderna não conseguem ser completamente explicadas ou tratadas, alguns heróis de espírito investigativo começaram a colocar em cheque estes paradigmas antes inquestionáveis. Os documentários A Casa dos Números, sobre a AIDS, e Uma Linda Verdade, sobre o Câncer, partem de perguntas tão óbvias que é como se tivéssemos esquecido de nos perguntar.

Para aqueles que desconfiam de “teorias da conspiração” e gostam de números e fontes confiáveis, basta navegar pelo site da Organização Mundial de Saúde. Enquanto que, em 1995, o relatório anual da OMS apontava a pobreza como principal barreira para o desenvolvimento da saúde no mundo, numa sociedade aparentemente saudável com excessão dos rincões de miséria, em 2008, o mesmo relatório já mudava de tom, apontando que “condições injustas de acesso à saúde, custos empobrecedores e a erosão da confiança no sistema de saúde constituem uma grande ameaça para a estabilidade social”, pedindo um “retorno a uma abordagem mais holística da saúde”.

A questão é simples: desde que a ciência dos comprimidos e da medicina alopática  monopolizou a promessa de cura, a sociedade não se tornou mais saudável. Pelo contrário, estamos na verdade mais doentes do que no passado.

A equação não é difícil de entender. A natureza corporativa da indústria farmacêutica, voraz pelo lucro em larga escala, faz com que ela só tenha olhos para drogas de “alívio imediato” (que tendem apenas a eliminar temporariamente os sintomas, ao invés de combater o problema pela raíz, forçando o uso recorrente) e desta forma inibem quaisquer tentativas de tratamento que não implique no uso dos remédios ou tratamentos alopáticos que a sustetam.

Eis então uma verdadeira pandemia: nomes imponentes como Transtorno Obssessivo Compulsivo, Transtorno Bipolar, Síndrome do Pânico e Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade tiram do paciente a responsabilidade pela sua própria situação, que é entregue aos “milagrosos” coquetéis químicos da medicina moderna, e com isso nomes como Frontal, Prozac, Ritalina, Lexotan, Rivotril entre tantos outros, são hoje tão populares quanto as dos fabricantes de celulares. Estou exagerando? Então confira esta grife esperta que lançou objetos de decoração inspirados nestes novos ícones da cultura pop.

Esta mesma indústria farmacêutica se baseia na confiança oferecida pela ciência para desmoralizar tratamentos alternativos, que geralmente são tachados de ineficazes por não terem validação científica ou até mesmo por serem inacessíveis ao método científico experimental, como a homeopatia, fitoterapia, acupuntura, aromaterapia, ayurveda, reiki e assim por diante.

“Construímos um sistema médico em que o ato de enganar não é apenas tolerado, mas recompensado”, afirmou em entrevista à Folha de São Paulo o médico Carl Elliot, professor de bioética e filosofia na Universidade de Minnesota e autor do livro “White Coat, Black Hat -Adventures on the Dark Side of Medicine” (Jaleco Branco, Chapéu Preto: Aventuras no Lado Negro da Medicina), uma viagem aterrorizante pelas falcatruas e o poder exercido pela indústria farmacêutica, que escapou a todo controle em nome do lucro. “O problema hoje é que temos um sistema de desenvolvimento de drogas orientado para o mercado e não para as coisas que as pessoas doentes precisam”, nos lembra o médico americano.

Mas uma verdade fabricada não consegue se sustentar somente em números por muito tempo. Como demonstrado nos documentários mencionados anteriormente, as mortes dolorosas de pacientes de AIDS pelo uso de tóxicos pesados como o AZT, ou de pacientes de câncer pela quimioterapia (que no fundo é um ataque irrestrito ao organismo, já que mata células indiscriminadamente, e não apenas as cancerígenas), rivalizam com as mortes provocadas pelas próprias doenças sem tratamento algum. Se é que elas são o que nós pensamos que fossem.

E os dados foram lançados. A medicina alternativa ganha espaço em meio a esta crise de controle pela nossa fidelidade. Por um lado, vemos o crescimento do uso medicinal das plantas de poder por xamãs urbanos, ou o debate acerca das propriedades medicinais da maconha ganhar atenção da mídia, por outro, novas práticas medicinais que se propõem a resgatar elementos da cultura oriental e de conhecimentos espirituais começam a penetrar nas classes mais intelectualizadas. O Plantando Consciência está acompanhando esta briga de perto, e aproveitamos para indicar dois workshops que acontecem em Novembro que devem ajudar a fomentar esta reflexão.

O primeiro, Desenvolvimento Humano Multidimensional, que acontece agora no dia 12 de Novembro, com o Dr. Fernando Bignardi, trabalha a saúde através da abordagem quântica do físico Amit Goswami. Bignardi é formado pela Escola Paulista de Medicina (EPM-UNIFESP); pós-graduado em Homeopatia, Psicoterapia, Medicina Comportamental, Biologia, Ecologia e Geriatria/Gerontologia; e é um dos defensores de que o estilo de vida da cultura ocidental contemporânea é o principal fator de doenças crônicas como a depressão, hipertensão arterial e diabetes, propondo que adotemos o modelo quântico de ser humano na questão da cura. Assista à entrevista do Dr. Fernando Bignardi para o Globo Repórter (exibida em 08/10/2010)

O segundo, Workshop de Introdução à Sintergética, nome que pode ser desmembrado em “Síntese das Energias”, acontece nos dias 20 e 21 e apresenta, através da chilena Daniela Blazquez, psicóloga residente na Austrália, uma medicina integralista que propõe uma visão holística baseada nos conhecimentos ancestrais da ayurveda, medicina chinesa, xamanismo e geometria sagrada.

O importante em ambos os casos é abrirmos nossa receptividade ao novo, ao invés de categorizarmos o que desconhecemos com uma etiqueta, motivados pelo preconceito. Olhe para si e para as pessoas ao seu redor e você também irá perceber que não é mais possível viver um mundo dualista, que promove a distinção entre a medicina “de verdade” e as “baboseiras new age”. A sociedade está doente, o planeta está doente, e aqueles modelos que tínhamos como solução estão falhando. Dê uma chance para romper com alguns paradigmas envelhecidos e talvez você descubra que, ao invés de um gigantesco iceberg no qual colidimos sem saber antecipar, como o Titanic, existe uma maravilhosa oportunidade que se abre para um mundo de saúde e de possibilidades infinitas.

Comments (5)

%d blogueiros gostam disto: